(Black Legion Production)

Pernambuco está inserido na Zona Intertropical (predominantemente de temperaturas altas) e o Matakabra é uma banda engendrada em seu estado natal, que vem aquecendo a cena Underground local, ganhando receptividade de muitos entusiastas da música extrema nacional, principalmente no nordeste.

Com pouco tempo de estrada, o quinteto pernambucano vêm surgindo com os pés na porta após o lançado (EP) “Prole” -2016, que está resultando em bons rendimentos, já nas primeiras audições, podemos ter a noção de tal feito em que a banda ocasionou. Este projeto do (EP) conta com uma ótima produção. A mixagem e masterização ficou a cargo de ‘Matheus York’, gravações das cordas orquestrada pela Matakabra e gravações de bateria e vozes feitas na “Casona Estúdios” e no próprio home estúdio da banda, onde a mesma adotou de uma filosofia “faça você mesmo”, os tornando independentes.

As criações sonoras da banda transitam entre os gêneros Black e Death Metal, além de agregar à sua identidade a sonoridade de bandas mais recentes. Mas, também é perceptível algumas pitadas do Death Core em suas bases que se fazem presentes no “Prole”, onde o intitula e conceitualizam as três composições inseridas no EP.

O trabalho contido no EP é bem feito e caprichado e é o que chama atenção, por ser um projeto extremamente pesado. As melodias presentes no mesmo, contam com a nossa língua pátria, transmitindo a verdadeira mensagem que o quinteto quer passar aos seus ouvintes. Aliados as riffs rasgados e agressivos, recheados de boas variações, assim como a bateria que não descansa um segundo, eis que veem atribuídos de alguns “breaks”, que impera brutalidade empregada a cada composição. Os vocais de ‘Rodrigo Costa’ está muito bem encaixados e definindo a harmonização das cordas, com guturais aliados às vozes rasgadas que se juntam muito bem a proposta que a banda apresenta.

“Prole” abre de forma bem estridente e bem brutal como um soco no pé da orelha. As três faixas presente no (EP) se completam em uma verocidade impecável. Além das duas composições iniciais, posso destacar a faixa que fecha o EP, a mesma que a intitula “Prole”, que carrega uma sonoridade mais trabalhada, além do teclado participativo de (Bruno Saraiva) trazendo um ar mais sofisticado a composição, onde o peso e brutalidade aqui se mostra bem presente devido às variações que a banda veio a explorar ao lado de uma letra extremamente forte no seu conceito.

“Com apenas com duas Demos lançadas em sua curta história, o Matakabra já deixou o peso de suas guitarras de 8 cordas por festivais tradicionais, como o Rock Stage na cidade de Mossoró/RN e eventos que visam o fortalecimento do underground na cidade de Garanhuns/PE e João Pessoa/PB. No Recife, é conhecida pela energia do público em seus shows e sua qualidade de performance ao vivo”.

Tracklist:

  1. Executado
  2. Pesadelo
  3. Prole

Por: André Santos